Últimos assuntos
» Redução de salários em 2010
Seg Jun 06, 2016 4:40 pm por WiseMax

» Sorteio de voos para a Alemanha e iPad 2
Sab Jun 07, 2014 3:44 pm por vaniasvieira

» Coworking S.João da Madeira
Seg Nov 18, 2013 11:19 am por MClara

» O Worten Ultimate Challenge está de volta!
Seg Nov 04, 2013 6:00 pm por PTGAMERLAN

» Clube Macinhatense
Seg Nov 04, 2013 4:34 pm por MClara

» CONCERTOS DE ORGÃO
Qui Out 24, 2013 11:46 pm por MClara

» Associação Bairrada Solidária
Seg Out 14, 2013 2:28 am por MClara

» Vamos ajudar a Mónica
Sex Out 11, 2013 11:26 am por MClara

» Gina Marrinhas em Águeda
Seg Set 30, 2013 10:24 pm por MClara

» Luís Miguel Ferreira
Qua Set 25, 2013 11:05 pm por MClara

» Associacao Bairrada Solidaria - Aniversário
Qua Set 25, 2013 11:01 pm por MClara

» Convivio do Rio Vouga - Clube Macinhatense
Seg Jun 24, 2013 1:10 pm por MClara

» Candidato á presidência da câmara de SJM
Ter Jun 18, 2013 1:09 pm por Reporter On Line

» Feira da Vinha e do Vinho 2013
Seg Jun 17, 2013 10:50 pm por Isabelita

» 17º encontro de Povos da Serra da Lousâ
Seg Jun 17, 2013 10:04 pm por MClara

» MEO XLPARTY@Expocentro - Pombal
Seg Jun 17, 2013 2:27 pm por PTGAMERLAN

» Worten Ultimate Challenge PES 2013 - GT5
Seg Jun 17, 2013 2:26 pm por PTGAMERLAN

» Gerir vida financeira
Dom Jun 09, 2013 2:32 pm por skurtis

» Bichos, Bichinhos e Bicharocos - Althum
Qui Maio 30, 2013 9:24 am por MClara

» Miguel Braga " Like a Tree"
Qua Maio 29, 2013 7:21 am por MClara

» Mealhada
Seg Maio 27, 2013 6:56 pm por MClara

» Castanheira de Pera
Dom Maio 26, 2013 11:10 am por MClara

» Entr'artes/2013
Dom Maio 19, 2013 11:01 pm por MClara

» Trocas e Baldrocas
Sex Maio 17, 2013 3:57 pm por MClara

» DIVERSÃO NOS ESPAÇOS PLAY ZON - Torneio FIFA 13
Sex Maio 03, 2013 3:49 pm por PTGAMERLAN

Conectar-se

Esqueci minha senha

Facebook
Forum Generalista Português

Forum Generalista Português

ON- LINE

contador de visitas
O Tempo não pára!
Volte sempre
contador de visitas
Visitantes
tema
PT
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada


A época em que havia Tempo

Ir em baixo

default A época em que havia Tempo

Mensagem por Jotace em Sex Set 10, 2010 6:10 pm






O gira-discos é um simbolo que marca uma época. A época em que havia Tempo. Tempo para ouvir musica em casa, tempo para tirar a grande rodela de vinil preto da capa, olhá-la de perto, ver se tinha pó, limpá-lo se necessário, colocá-lo no prato do aparelho, limpar o pó da agulha e fazê-la descer cuidadosamente sobre as espiras iniciais, e, 5 ou 6 faixas musicais após, virar o disco, e repetir o processo.

No entretanto, e enquanto se ouvia a musica, podia-se admirar o grafismo da capa, (enorme, para os parametros actuais), podia-se ler, sem precisar de óculos ou lupas, as letras das canções ou o mais que fosse parte impressa da capa interior, ou da folhinha avulsa que fazia companhia ao disco e ao seu saquinho de plástico.

Enfim, colocar um disco a tocar era processo que poderia demorar vários minutos, e tudo isso fazia parte de um gostoso ritual iniciático (especialmente quando se tratava de um disco novo), que se perdeu com a invenção do CD. Realmente, a unica desvantagem dos discos de vinil era a sua fragilidade: empenavam com o calor, riscavam-se com frequência, sofriam muito com os maus tratos, e foram especialmente esses os argumentos que foram usados para o condenar á morte no dia do nascimento do CD. Porém, e contra todas as expectativas... o vinil, e os gira-discos, não morreram.
Durante duas décadas estiveram moribundos, remetidos ao abandono da vasta maioria. Destruiram-se colecção de discos, venderam-se ao desbarato, ou enfiaram-se no canto escuro de uma arrecadação. Os gira-discos tiveram o mesmo destino. Muitos acabaram no lixo, depois de se encherem de pó, ou de deixarem de funcionar por falta de uso, ou por a agulha se ter estragado e comprar uma nova ser quase impossivel, pelo menos a preços tidos como ‘decentes’. Continuaram a fabricar-se gira-discos, mas apenas para franjas de mercado muito especificas, de elevada qualidade, e com os preços a corresponder. Tornou-se um objecto quase de luxo, e a sua manutenção idem aspas.

Apenas uma franja de ‘lunáticos’ mantiveram os seus gira-discos e os seus discos, incapazes de acreditar e aceitar que o mais romântico e bonito dos aparelhos domésticos pudesse ter sido assim condenado á morte, sem direito a defesa no julgamento, substituido por uns frios paralelipipedos de plástico, com botões e uma gaveta, onde se enfiam uns discos minusculos e brilhantes, que assim desaparecem da nossa vista. Eu fui um deles.


Observações: o fantástico modelo retratado acima é o "Avid Acutus Reference". Preço: 24.000 dólares, sem braço e sem agulha.

avatar
Jotace
Membro V.I.P.
Membro V.I.P.

Sexo : Masculino Idade : 50
Pontos : 4277
Data de inscrição : 25/11/2008

Voltar ao Topo Ir em baixo

default Re: A época em que havia Tempo

Mensagem por Jotace em Sex Set 10, 2010 6:11 pm

O renascimento da minha Fénix musical
--------------------------------------------------

Tive um gira-discos que era parte do meu Hifi Sanyo, o primeiro que pude comprar, quando tinha 18 anos. Depois, substitui-o por um bem melhor, um Dual 505-4, igual a este:



Lembro-me que o adquiri numa venda de armazem, feita pela Singer, em Lisboa. Tinha um pequeno risco na tampa, e assim pude comprá-lo por 20 contos (agora 100 €). Há quem os venda actualmente, com mais de 20 anos de idade, por mais do que isso, nalguns casos quase o dobro, caso estejam a funcionar em boas condições. E digo isto para que percebam o que o tempo fez ao mercado dos bons gira-discos, mesmo os usados, com décadas. Há quem deite fora aparelhos destes, antigos, de marcas históricas e com uma longevidade e qualidade de construção exemplar, como a Garrard ou a Thorens, por exemplo, sem ter a minima noção do valor que actualmente atingem.

Alguns anos depois, já na fase pós-CD, e quando já poucos o fariam, cometi a loucura de pagar um valor digamos que ... arriscado, numa compra instintiva e sem tempo para reflexão, a um estrangeiro que estava a vender o recheio da casa para ir embora de Portugal, para lhe comprar duas colunas Bose 901, um amplificador/sintonizador Harman/Kardon 930, e principalmente, um gira-discos Thorens como eu nunca tinha visto, mas que, mesmo sem saber exactamente o que era aquilo, eu sabia que era especial, e que o queria. O fulano não me quis vender só o gira-discos, e assim tive que pagar pela aparelhagem completa. Vendi posteriormente as colunas. Isto aconteceu há cerca de 15 anos. O gira-discos que lhe comprei é igual a este:



Mantenho-o comigo, e pretendo mantê-lo até que a morte nos separe. É um Thorens Phantasie, um modelo actualmente com 25 anos, e corpo (base) é talhado num bloco de acrilico transparente com 4 cms de espessura. Não é um topo de gama do ponto de vista técnico, mas vim a descobrir tratar-se de uma bela e rara peça, parte de uma edição especial das quais terão sido fabricadas apenas uma centena de unidades para o mundo inteiro.

E faço-lhe aqui esta homenagem, ao meu Phantasie, porque o tratei mal durante quase 10 anos. Os 10 ultimos anos. Deixei de ter tempo. Vendi-me ao pronto-a-comer dos CDs e do MP3, muito devido ao facto de a correia de transporte que liga o motor ao prato se ter danificado, e devido ao meu sobrinho, então com 5 anos, me ter arruinado a agulha num momento em que me apanhou distraído. Dois danos que me levaram a adiar, e adiar, e re-adiar a intervenção e o tempo de dedicação que ele precisava que eu lhe dedicasse. Nunca saiu do seu lugar, na sala de estar, mas ali ficou. Muito de longe em longe, eu voltava a ligá-lo, só pra ver se funcionava ainda. Dava um jeito na correia, e mesmo com a agulha toda marada, punha um disquito a tocar. Mas era uma trabalheira, soava mal, e ... voltava a abandoná-lo. Passaram 10 anos. Eu tinha 32 de idade e agora tenho 42. Alguma coisa mudou entretanto, que me levou a, finalmente dizer ‘BASTA!’. Só sei que estava cheio de saudades do meu gira-discos. Só sei que desejava voltar a ouvir discos guardados há 10, 15, 20 anos, sem serem ouvidos. Afinal tenho mais de 150 albuns, e ... para quê?

Assim, resolvi voltar a ter tempo, e estabelecer como prioridade a ressurreição do meu ‘ai-Jesus’, da minha Fénix musical. Comprei-lhe uma agulha nova (Cristo, os preços são absurdos, actualmente, para qualquer agulha de qualidade!), uma nova correia, uma limpeza e lubrificação, e afinação de angulo da agulha por parte de um profissional competente, e ... ei-lo de volta em todo o seu esplendor! Sim, mas... e os discos?
avatar
Jotace
Membro V.I.P.
Membro V.I.P.

Sexo : Masculino Idade : 50
Pontos : 4277
Data de inscrição : 25/11/2008

Voltar ao Topo Ir em baixo

default Re: A época em que havia Tempo

Mensagem por Jotace em Sex Set 10, 2010 6:13 pm


A ressureição do meu vinil
-------------------------------

Comecei a tirar as bolachas de vinil das suas capas, onde moravam já há uma ou duas décadas, e fiquei estarrecido! Manchas de bolor, pó, dedadas e o diabo-a-sete! A maioria estava num estado deplorável. Percebi que tinha ali um problema. Eu não tinha gasto um dinheirão numa agulha de qualidade e numa revisão ao aparelho, para agora o alimentar com discos naquele estado! Limpezas com alcool, ou duches de chuveiro, não resolveriam o problema. A quantidade de porcaria que se esconde no fundo das espiras do disco é que é responsável pela grande maioria dos ‘tricks-tracks’ que sempre foram a imagem de marca da audição do vinil. O que o pessoal pensa serem riscos ou desgaste, a maioria das vezes é apenas porcaria. A aplicação do pano, ou da escovinha, ou mesmo uma limpeza com alcool ou lavagem com o chuveiro (sim, cheguei a fazer isso a alguns, há mais de 10 anos) não resolve, apenas disfarça.
Achei que era tambem tempo de procurar uma solução de limpeza mais eficiente e radical, que devolvesse aos discos a sua dignidade. E encontrei! Bom... primeiro encontrei máquinas de limpeza topo-de-gama, que simultaneamente, lavam, aspiram e secam cada espirazinha do disco até ao mais recondito cantinho. Verdadeiras maravilhas que deixam cada disco mais limpo do que á saída da fábrica. Infelizmente cada brinquedo desse custa 500€ ou mais, e portanto... opção eliminada. Mas tambem encontrei isto:



É um kit de limpeza, marca Knosti, composto de um liquido especial, e um reservatório que contém duas escovas, onde cada disco é mergulhado até metade, e depois rodado manualmente nos dois sentidos, sendo depois escorrido, retirado e colocado a secar naquela peça que tem umas astes verticais. Puro trabalho manual, chato, demorado (cada disco demora cerca de 5 minutos, entre tirá-lo da capa, lavá-lo, escorrê-lo e voltar a guardá-lo).
Comprei o Kit, e meti-me mãos á longa maratona. Devo ter gasto, ao longo de vários dias, cerca de 10 horas a limpar discos, um a um. Limpei 130. Deixei ficar uns quantos, até porque, mesmo com filtragem sucessivas, o liquido passou de transparente a castanho claro, além de metade já ter evaporado nos processos de secagem, e portanto... já não dá para mais. Preciso de um frasco novo, mas não há problema, que isso vende-se á parte. Mas o resultado é fantástico! O aspecto do vinil depois de lavado é bestial, e o som ... enfim... é um regresso ás origens. Quase nenhuma estática, e só lá ficaram os poucos ‘tricks-tracks’ (que tambem eram chamados de ‘batatas fritas’) que eram devidos a danos permanentes, ou aos tais residuos agarrados e entalados demasiado fundo, nas espiras, e aos quais nem este conjunto de limpeza consegue alcançar, apenas os tais mega-aspiradores de 500€ conseguem. Enfim, uma audição quase perfeita, e um sorriso de orelha a orelha por poder recuperar o som analógico, macio e suave que um gira-discos em plena forma debita, e que nenhum leitor de CDs ou MP3 consegue replicar.



Última edição por Jotace em Sex Set 10, 2010 6:19 pm, editado 1 vez(es)
avatar
Jotace
Membro V.I.P.
Membro V.I.P.

Sexo : Masculino Idade : 50
Pontos : 4277
Data de inscrição : 25/11/2008

Voltar ao Topo Ir em baixo

default Re: A época em que havia Tempo

Mensagem por Jotace em Sex Set 10, 2010 6:14 pm


Velhos são os trapos!
--------------------------

Pois bem, mas ... um gira-discos não toca sozinho. Precisa de um amplificador e de umas colunas. De preferencia bons, claro. Acontece que, desde que eu tinha comprado o gira-discos, tinha tambem em meu poder o tal amplificador/sintonizador Harman/Kardon 930, ao qual sempre achei um piadão pelo bom aspecto que tinha, pelo seu ar robustamente sexy e vintage, e pelo facto de ainda tudo funcionar na perfeição, mesmo tendo ele actualmente 35 anos.
Foi feito para durar, era o topo de gama da marca em 1975, e é igual a este:




Nunca tive coragem de me livrar dele, e esteve practicamente 15 anos desligado, guardado na arrecadação. Eu sabia que era uma boa máquina, mas o meu feio, preto e moderno Arcam Alpha 3 servia-me perfeitamente, e não tinha nenhum motivo concreto para o trocar pelo H/K.
Acontece que, porque me obriguei a ter tempo, tambem me obriguei a desligar tudo, e ligar o velhinho e charmoso H/K 930, e descobri que, além de ter muito bom aspecto, toca tão bem ou melhor que o outro, e ainda fico com sintonizador de rádio, que é coisa que eu não tinha, embora nunca me tivesse feito grande falta. Aliás, o circuito de amplificação Phono (para o gira-discos), do H/K 930 é, de facto, melhor, o que naturalmente se reflecte no som! Não imaginaria que um aparelho com 35 anos, que já andou de Herodes para Pilatos e nas mãos de mais de um dono, tivesse tal qualidade de construção que mantivesse tudo a funcionar perfeitamente, sem folgas nem ruidos nos botões, nem iluminação interna fundida!
O resultado foi o que imaginam: meti o Arcam na ‘prateleira’, e agora tenho um sistema Vintage a tocar como gente grande: amplificador com 35 anos, gira-discos com 25, leitor de CDs Marantz e colunas Triangle com quase 20. E ... velhos são os trapos!



Última edição por Jotace em Sex Set 10, 2010 6:18 pm, editado 1 vez(es)
avatar
Jotace
Membro V.I.P.
Membro V.I.P.

Sexo : Masculino Idade : 50
Pontos : 4277
Data de inscrição : 25/11/2008

Voltar ao Topo Ir em baixo

default Re: A época em que havia Tempo

Mensagem por Jotace em Sex Set 10, 2010 6:15 pm


As caixinhas do tempo
----------------------------

No meio de todo este processo, lembrei-me tambem de ressuscitar uns certos discos que merecem fazer parte desta narrativa.
Um dia, há um ano ou dois, fui despejar o lixo reciclável a um ecoponto. Lá chegado, deparei-me com um espectáculo que me fez doer a alma: no chão, ao lado, estava mais de uma centena de livros antigos, com idades entre os 30 e os 50 anos, em conjunto com uma série de trastes poeirentos saídos de um qualquer sotão, cave, ou arrecadação. Parecia ser uma daquelas limpezas que se fazem por morte de alguem. Dava ideia que o patrimonio cultural de uma vida estava ali, no chão, para ir para o lixo.
Comecei de imediato a recolher todos aqueles livros, para os oferecer á escola secundária aqui da minha zona, que estava a construir uma biblioteca. Enchi a bagageira do carro até ao topo. No meio de tudo aquilo, descobri três caixas de discos, edições das Selecções do Readers Digest. Abri-as, estavam completas, trouxe-as para casa. Era uma de musica clássica com 10 discos, uma de musica latino-americana com 12 discos, e outra com 4 discos de bandas sonoras de filmes famosos. Tudo datado de ... 1965, 1966, 1967. Tinham a minha idade! Os discos estavam muito sujos, as caixas algo deformadas do peso que tiveram em cima. Dei um jeito nas caixas e guardei os discos, sem limpar.



Estava eu no meio do processo de lavagem dos meus discos, quando me lembrei destes. Fui buscá-los, e meti-os no lote da ‘barrela’ manual. Tinham, portanto, poeira, bolor, e marcas de 40 anos. Depois de lavados fiquei pasmado! Aparentemente nunca foram usados! Absolutamente novos! Nem um risquinho, nem uma marca! Nada!
Levei um até ao gira-discos. Escolhi um das bandas sonoras dos filmes. Olho para a lista das faixas e fico de água na boca: “Casablanca”, “Os sete magnificos”, “Cleópatra”, “Zorba, o grego”, “Lawrence da Arábia”, “E tudo o vento levou”, etc, etc.
A agulha aterrou no disco sem o minimo ruido, e o som começa a fluir. Foi como abrir uma caixa do tempo: discos gravados há mais de 40 anos, com a sonoridade da época, e todos os temas interpretados por umas das 3 grandes orquestras americanas de então, a Orquestra Sinfónica RCA (Radio Corporation of America), e tudo com um som quase imaculado, como se tivesse acabado de ser prensados. Ainda tenho 24 discos destes para curtir. Mais 24 páginas de história dentro de 3 caixinhas do tempo. Pormenor delicioso, o de uma das capas, publicitando a trademark “Dynagroove – magnificent new Dinagroove sound”, a primeira tecnologia computorizada a ser utilizada na gravação analógica dos discos, com o objectivo de melhorar a qualidade sonora, e que veio a ser descontinuada em 1970, depois de umas quantas controvérsias.
Reafirmo o que disse atrás acerca dos gira-discos: as pessoas não sabem o que deitam fora. Ainda bem que ainda existem felizes coincidências, e assim, o lixo de uns foi o tesouro de outros, neste caso, de mim próprio, e da escola secundária cá da terra.



Última edição por Jotace em Sex Set 10, 2010 6:17 pm, editado 1 vez(es)
avatar
Jotace
Membro V.I.P.
Membro V.I.P.

Sexo : Masculino Idade : 50
Pontos : 4277
Data de inscrição : 25/11/2008

Voltar ao Topo Ir em baixo

default Re: A época em que havia Tempo

Mensagem por Jotace em Sex Set 10, 2010 6:16 pm


A ressurreição de uma era que não chegou a morrer
-----------------------------------------------------------------

O renascimento do vinil e dos gira-discos, é mais do que um fenómeno localizado. É universal, e transversal. Nos ultimos anos voltaram a aparecer discos pretos nas lojas. Ainda recentemente a Fnac fez uma campanha especial, já com mais de 1000 titulos disponiveis em vinil, tanto edições antigas como discos recentes, que já são fabricados simultaneamente em CD e vinil.



Em conversa com a responsável de uma das lojas de Hi-Fi de Lisboa, fiquei a saber que actualmente se vendem mais gira-discos do que leitores de CDs, nas lojas especializadas. Tanto aparecem compradores entre a malta mais velha, que se arrependeu de se ter desfeito do seu ‘gira-bolachas’ há 20 anos, e agora querem ressuscitar os seus discos, como entre a malta nova, que aparece na loja dizendo que quer um “leitor de vinil”, pois tem em casa uma pilha de discos dos velhotes, e não tem como ouvir aquilo.
O problema maior reside, actualmente, no facto de ainda ser um produto para um segmento muito restrito do mercado, e que infelizmente, e como tal, subiu muito de preço. Um gira-discos razoável, com braço e agulha a condizer, novo, custa mais de 500€. Uma máquina um pouco mais evoluida, sobe fácilmente acima dos 1000€. Uma agulha de qualidade tem preços a partir de 150€. E uma bolacha preta, em formato LP, custa actualmente mais do que um CD. Portanto, se encontrarem alguem que vos ofereça um gira-discos e/ou uma colecção de discos “velhos e inuteis”, não hesitem! Aceitem!

Espero que tenham apreciado tanto a leitura disto, quanto eu apreciei escrevê-lo. Wink

avatar
Jotace
Membro V.I.P.
Membro V.I.P.

Sexo : Masculino Idade : 50
Pontos : 4277
Data de inscrição : 25/11/2008

Voltar ao Topo Ir em baixo

default Re: A época em que havia Tempo

Mensagem por WiseMax em Sex Set 10, 2010 10:14 pm

Jota, parabéns!...

Li-te gulosamente e parei no fim com um chorinho: dei todo o meu vinyl e a minha aparelhagem, da qual constava exactamente um Thorens e agulhas Shure elípticas, magníficas e irritantes, por exporem impiedosamente qualquer risco ou rsstática, material Quad e B&O...

E a pessoa a quem dei desfez-se disso e nunca usou!!!

Tens sorte. Eu fui um asno.


WiseMax
Membro Activo
Membro Activo

Sexo : Masculino Idade : 70
Emprego/lazer : Dolce farniente
Pontos : 3760
Data de inscrição : 18/01/2009

Voltar ao Topo Ir em baixo

default Re: A época em que havia Tempo

Mensagem por Jotace em Sab Set 11, 2010 12:12 pm

Pois é, Wise... Thorens, Quad e Bang & Olufsen não é foi uma má decisão: foi sacrilégio, mesmo. Deixa lá, não foste o unico, conheço muita gente assim, que fez o mesmo.
Hoje em dia, há gente que vem cá a casa e olha para o meu gira-discos com um misto de curiosidade e nostalgia. E claro, os miudos não fazem ideia de que coisa é aquela. E foi assim, e por causa da curiosidade, que o meu sobrinho me arruínou a agulha, que era 'só' uma Ortofon 540, com ponta de diamante Nude FG, na altura a melhor das agulhas da marca, dentro da gama média, para gira-discos normais.
Depois de procurar bem, tive ultimamente a felicidade de conseguir comprar outra (só a agulha, não a célula) por um preço muito inferior ao que actualmente o importador pede por elas, e que são uns imorais 210€ .

Epá, se apanhares um gira-discos a jeito, de alguem que se queira desfazer dele, aproveita-o! Precisas é de ter um amplificador á moda antiga, com uma entrada 'Phono', coisa que hoje em dia já é raro, nas vulgares aparelhagens caseiras.


Última edição por Jotace em Dom Set 12, 2010 8:29 am, editado 1 vez(es)
avatar
Jotace
Membro V.I.P.
Membro V.I.P.

Sexo : Masculino Idade : 50
Pontos : 4277
Data de inscrição : 25/11/2008

Voltar ao Topo Ir em baixo

default Re: A época em que havia Tempo

Mensagem por WiseMax em Sab Set 11, 2010 5:53 pm

Pois... a entrada para "Dynamic" de 3mV e 10 KOhm

WiseMax
Membro Activo
Membro Activo

Sexo : Masculino Idade : 70
Emprego/lazer : Dolce farniente
Pontos : 3760
Data de inscrição : 18/01/2009

Voltar ao Topo Ir em baixo

default Re: A época em que havia Tempo

Mensagem por Jotace em Sab Set 11, 2010 9:51 pm

...seja lá o que isso for, que a partir daqui já estás a falar chinês para mim. Laughing
avatar
Jotace
Membro V.I.P.
Membro V.I.P.

Sexo : Masculino Idade : 50
Pontos : 4277
Data de inscrição : 25/11/2008

Voltar ao Topo Ir em baixo

default Re: A época em que havia Tempo

Mensagem por WiseMax em Dom Set 12, 2010 12:30 am

É que havia outra ligação de Phono Alta Fidelidade para "Ceramic" também de baixa voltagem (2mV) para as cabeças HiFi Cerâmicas da Philips, mas a "normal" era para as cabeças electromagnéticas. Que é o que tens.

Claro que havia os pickups cerâmicos de "Alta Infidelidade" (aqueles "automáticos" que se levavam para as festas!...), com agulha grossa, que, segundo os puristas, dava cabo dos discos e uma vez tocados nesses gira-discos ranhosos nenhum audiófilo admitiria tocar esse disco mais alguma vez que fosse na sua preciosa aparelhagem!


Qualquer disco de vinyl tem mais ruídos e menos agudos do que o CD ... mas tem mais dinâmica!... Perde-se por um lado... ganha-se por outro!...



WiseMax
Membro Activo
Membro Activo

Sexo : Masculino Idade : 70
Emprego/lazer : Dolce farniente
Pontos : 3760
Data de inscrição : 18/01/2009

Voltar ao Topo Ir em baixo

default Re: A época em que havia Tempo

Mensagem por Jotace em Dom Set 12, 2010 8:37 am

Já vi que percebes da poda, tambem nesta area. Wink Chiça, pareces o Leonardo da Vinci! Razz

São poucos os ouvidos que conseguem apreender o encanto da diferença sonora entre musica digital (CD e afins) e musica analógica (vinil). Os CDs gritam, o vinil sussura-nos ao ouvido. Não é uma questão de qualidade sonora(existem bons e maus CDs, e bons e maus discos de vinil, em termos de qualidade de gravação ou prensagem), é mais uma questão de ambiência sonora, de atmosfera envolvente. A mesma peça musical soa de forma diferente sendo tocada em CD, ou em vinil. Mas nem todos conseguem apreender isso. É uma questão de apuro de sentidos. Eu tenho um mau nariz, mas bons ouvidos. Por isso, não posso ser um verdadeiro apreciador de vinho, apesar de gostar muito dele. Laughing
avatar
Jotace
Membro V.I.P.
Membro V.I.P.

Sexo : Masculino Idade : 50
Pontos : 4277
Data de inscrição : 25/11/2008

Voltar ao Topo Ir em baixo

default Re: A época em que havia Tempo

Mensagem por MClara em Dom Set 12, 2010 2:07 pm

Parabens Jotace, achei muito oportuno este teu tópico, engraçado que eu nunca tive coragem de me desfazer das coisas antigas da "casa Mae".Estão guardadas , mas qualquer dia quem sabe eu as vá buscar e provavelmente em mau estado por mais de 28 anos sem uso, mas já nem sei sequer a marca.
Mas lembro que ainda o meu pai usava bobines de fita para reproduzir e gravar, mais de 40 anos deve ter a nossa aparalhegem e mais de 28 sem uso, mas guardada ainda no armario de som.
Á uns anos atrás quando precisei de comprar uma aparelhagem de som cá para casa depois do meu divórcio optei por uma technics por modulos e comprei o giradiscos , podia ter optado nao comprar, mas questionei o que eu faria aos meus discos?
Não tenho muitos, porque as prioridades sempre foram muitas, e adquirir música, não existia dinheiro para esses luxos mas tenho alguns principalmente música clássica que sempre foi a minha paixão.
Eu sou considerada uma saudosista familiar e volta e meia, trago coisas da casa de familia para a minha, mas a aparelhagem de som, não me tinha passado pela cabeça faze-lo.
Ainda bem que me lembraste.
Quem sabe a partir do fim do ano, eu posso dedicar algum tempo a ir buscar a maquina de escrever familiar que era toda em ferro e linda e começar a recuperar algumas coisas.
Mas .. constato que mesmo a minha aparelhagem de som, raras vezes a uso, apenas quando tenho visitas, o computador acabou por substituir muita coisa.
Se isso é bom ou mau, nem sei...
Mas voltando ao início parabens Jotace, acabei por perguntar a alguns amigos o que tinham feito das suas aparelhagens de som de discos e a resposta foi igual, uns mandaram para o lixo, deram, e... ficaram a pensar .
avatar
MClara
Admin

Sexo : Feminino Idade : 53
Emprego/lazer : Varios
Pontos : 3654
Data de inscrição : 16/03/2010

Voltar ao Topo Ir em baixo

default Re: A época em que havia Tempo

Mensagem por Jotace em Seg Set 13, 2010 12:41 am

Uma coisa te digo, Maria: para quem é melómano a sério, um computador nunca poderá substituir uma alta-fidelidade com os seus vinil ou os CDs.
E infelizmente, o advento da musica digital, dos I-Pods, das pens e dos auscultadores minusculos está a criar uma geração de garotos que não fazem a menor ideia do que é ouvir musica em boas condições, e pior ainda, sem capacidade para apurar o seu ouvido, o seu gosto, e definirem o seu grau de exigência.
O que noto hoje em dia, é que, ou os pais são bons conhecedores e apreciadores, e formam musicalmente os seus filhos desde tenra idade, tanto em relação ao conteúdo como em relação á forma (portanto, á aparelhagem), ou ... a maioria dos garotos deve achar que o graal musical passa por um I-pod cheio de hip-hop, Shakiras, Lady Gagas, Beyoncés e outras que tais.
Quando eu era teenager, o maior sonho que eu e os meus amigos tinhamos era poder ter uma aparelhagem das boas, e muitos discos e cassettes para a usar. Tal como eu fiz, outros fizeram, e os primeiros trocos que ganhámos a trabalhar foi para comprar a melhor aparelhagem possivel. Dominávamos os pormenores técnicos dos pratos, dos watts, das equalizações perfeitas, das diversas vias das colunas, dos Decks, dos Dolbys e por aí fora.
Actualmente, os putos querem é o melhor computador e I-pod possivel, e parece que perderam a capacidade de saber ouvir tocar umas colunas em condições. Não tem interesse nenhum em ter o CD original nem uma cópia, desde que tenham um ficheiro Mp3 comprimido no limite do aceitável, mas onde se perdeu 50% da dinâmica das musicas, para que cada canção ocupe o menor espaço possivel. E pronto, aquilo serve-lhes! Tem cortes brutais nos extremos da zona de graves e agudos, mas para eles, tanto faz! Só ouvem aquilo nos auscultadores, ou numas colunas rafeiras no computador, e portanto...é igual ao litro! E convenhamos que, para ouvir a trampa que eles ouvem, provavelmente deve ser mesmo indiferente. É que nós ouviamos os Genesis, os Supertramp, os Pink floyd, os Direstraits, e outros que tais, e tudo isso exigia ser ouvido em condições. Agora estas pepineiras que são as actuais vedetas do mercado, pfffff...
Resumindo, acho que estão a criar uma geração de surdos, em ambos os sentidos. Surdos pelo abuso dos auscultadores, e surdos pela incapacidade de apreciar algo mais elaborado do que a treta que hoje nos impingem. Adiante...

Falavas em coisas antigas, ou seja, e como se diz agora, vintage. Nesse ambito, olha lá o ultimo brinquedo que arranjei, aqui há umas semanas, e que era um desejo antigo só agora concretizado:



Rádiozinho a válvulas, da década de 50, origem alemã, quase impecável de aspecto, e com tudo a funcionar.
São tão giros, estes aparelhos! Parece que têm vida própria. Tem um ar de animal de estimação, com aquele look redondinho, e aqueles dois "olhos" a mirarem-nos. É tão giro fazer festinhas naqueles botões grandes, e apanhar umas estações á moda antiga, em onda média. Tambem tem onda curta, mas ainda me falta a antena.

É o Nordmende cá de casa. Dá vontade de dizer "Nordmende, aqui! Deita! Rola! Dá a pata, dá!" Laughing Razz

avatar
Jotace
Membro V.I.P.
Membro V.I.P.

Sexo : Masculino Idade : 50
Pontos : 4277
Data de inscrição : 25/11/2008

Voltar ao Topo Ir em baixo

default Re: A época em que havia Tempo

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum